01º DIA
03 /09/09


SÃO PAULO (SP)
DIAMANTINA (MG)
882KM

   


*Este roteiro é parte integrante da Expedição Estrada Real.


Piloto – A Estrada Real, começando na cidade de Diamantina (MG) e terminando em Paraty (RJ) pelo caminho antigo, foi o primeiro roteiro em formato de expedição que planejamos fazer de moto, e só agora depois de mais de trinta viagens pelo Brasil e América do Sul conseguimos realizar mais esse sonho, sem dúvida valeu a pena esperar.Inicialmente a nossa idéia era percorrer todo o caminho de uma só vez, mas como tínhamos apenas cinco dias, e não queríamos mais adiar, optamos por dividir em duas fases, a primeira o Caminho dos Diamantes e na segunda o Caminho do Ouro. Nessa primeira fase percorremos o Caminho dos Diamantes, são 380 km por estradas de terra entre Diamantina e Ouro Preto.
1º Dia - Deslocamento – 882 km. Como moramos em São Paulo, e para chegar até a BR 381, temos que atravessar a cidade, resolvemos sair bem cedo para evitar todo o estresse do trânsito paulistano, principalmente em vésperas de feriado.
Às 7:30h já estávamos na estrada prontos para encarar os 882 km até Diamantina, pela BR 381 e BR 040 a primeira uma estrada bastante cansativa pela grande quantidade de curvas e de caminhões, mas com um bom piso em todo o trajeto, e agora pedagiada para nós motociclistas também. A BR 040 estava em obras quase em toda a extensão, o que acabou atrasando bastante a viagem.Chegamos em Diamantina às 18h e logo de cara tivemos uma grata surpresa, o centro histórico lembra bastante a cidade de Cuzco no Peru, ruazinhas apertadas, piso de pedra, casarões coloniais, lojinhas de souvenirs, suntuosas igrejas, barzinhos com mesas na rua, que por sinal eu adoro, e um astral muito bom. Como não conseguimos um camping, e estávamos cansados da viagem, resolvemos ficar numa pousada e curtir um pouco a noite da cidade para encarar as estradas de terra no dia seguinte.

Garupa - Finalmente chegou o grande dia de realizar um sonho antigo, conhecer a Estrada Real. Apesar de ter muitas curiosidades sobre o local, resolvi não pesquisar e sim sentir todas as emoções em cada quilômetro rodado.
Queria ver com meus próprios olhos os caminhos percorridos pelas pessoas que levaram toda a riqueza de nosso País, mas de uma coisa tive certeza, não levaram o melhor dele, a paisagem magnífica e a diversidade cultural que por ali ainda reina.
Apesar de ser uma viagem longa e com muitas opções de turismo, sendo eles, cultural, artístico, natural ou até mesmo para o simples descanso, nosso objetivo era fazer todo ele por terra, passando por diversos distritos e conhecer cada pequena comunidade.
Sabíamos que cada uma delas tinha sua beleza natural, com diversas trilhas e cachoeiras e que não seria possível, pelo menos desta vez, fazer estes passeios, mas nos deixaria com uma vontade danada de voltar outra vez.
Depois de onze horas sobre a moto, afinal foram quase 900 km, chegamos em Diamantina. Durante todo o percurso passamos por locais com paisagens maravilhosas, como a região de Joanópolis, Camanducaia. Avistávamos colinas verdinhas com formatos diversos. A impressão que eu tinha é que era uma pintura, destas que crianças pintam com lápis de cor no primário.
O mais interessante é que uns 200 km antes de chegar em Diamantina a paisagem muda completamente, lembra muito o serrado na região do nordeste. As colinas ficam para trás com seu verde exuberante e se transformam em morros e montanhas todo de pedra e a vegetação fica bem seca e rasteira. Esta diversidade natural de nosso país cada vez mais me encanta. Este é um dos motivos que mais me agrada quando viajo e me faz querer viajar cada vez mais.
Fiquei muito surpresa quando vi Diamantina, não imaginava que era uma cidade tão bonita e simpática. A vantagem de viajar e não ter informações sobre o local é que passamos a vê-lo sem expectativas e tudo parece mais bonito. É verdade que às vezes pode ocorrer surpresas ruins, mas temos que estar preparados. Andando pela cidade vi que vale a pena passar pelo menos três dias por ali. Diamantina tem diversas opções de passeios para todas as idades e conta com um receptivo chamado Caminhos Reais e que dispõe de alguns roteiros, como por exemplo: City Tour, Trilha do Caminho dos Escravos, visita a parques, visita ao garimpo e até alguns roteiros radicais. Os preços variam entre R$ 30,00 a R$ 250,00. Não deixe de conhecer a Casa de Chica da Silva e nem de comer a típica comida mineira que é uma tentação.
A idéia inicial do nosso projeto era acampar, pra ficar um pouco mais emocionante, mas resolvemos nos hospedar em uma pousada porque chegamos à noitinha e ficaria complicado localizar o camping e até mesmo montar acampamento. Esta noite a barraca não seria usada, então continuaria a sina de encontrar um bom local para dormir, bom, bonito e barato. Desta vez usamos um recurso para não estressar, enquanto o Zé tomava uma cervejinha bem gelada eu sairia em busca do local. Nada mais justo, pois ele já tinha pilotado todo o percurso e eu sou a mais exigente mesmo, então caberia a mim tal tarefa. Por sorte de cara achei uma pousada bem legal. Com preço e serviço justo. A cidade dispõe de diversos hotéis, que variam de R$ 80,00 a R$ 300,00. Tem que procurar bem, porque tem algumas que não tem bom senso.
O bom do interior é que as pessoas são super prestativas, quando percebem que você precisa de alguma coisa, logo se oferecem para ajudar. O Sr. Salvador, um comerciante do local, nos deu muitas dicas e ficou proseando um “cadinho” com a gente. É por este e por outros motivos que eu sempre escolho as cidades pequenas.


 

 

   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
  Quilômetros Rodados  882km
  Horários  Saída: 6h30min  Chegada: 17h30min
  Despesa Combustível  R$ 139,00
  Despesa Alimentos  Almoço: 19,00 / Jantar: 40,00
  Despesa Hospedagem  R$ 80,00
  Despesa Passeios  -0-
  Classificação da cidade  Excelente lugar para fazer turismo histórico, cultural e ecológico
clique aqui para voltar ao índice