09º DIA
19/12/09


ITABUNA
ILHÉUS
ITACARÉ
210KM

   


*Este destino é parte integrante do Roteiro "Descobrindo a Bahia".


Piloto
Partimos de Eunápolis rumo a Ilhéus, claro que antes fiz alguns testes pela cidade, para ver se realmente a gasolina não sairia espirrando por todo lado, principalmente porque o vazamento seria bem em cima do cabeçote e do escapamento, mas felizmente parece que o remendo ficou bom.
Resolvemos passar a noite em Itabuna, cidade onde a Débora tem parentes, que nos receberam com muito carinho, e depois de muitas cervejas, muita conversa e uma noite de sono, seguimos para Ilhéus, onde tivemos o prazer do colocar um adesivo do motoa2, ou melhor, ver o proprietário do famoso bar Vesúvio, colocar nosso adesivo, num dos bares mais famosos do Brasil, retratado pelo maior romancista brasileiro, Jorge Amado em Gabriela Cravo e Canela.
Lembram da Gabriela e Seu Nacib, do bar Vesúvio? Pois é, o próprio!
Depois de dar muitas risadas com um grupo de baianos da velha guarda que faziam um happy no Vesúvio, seguimos para Itacaré, antes porém paramos numa cachoeira para dar uma refrescada porque, graças a Deus, tá muito calor.
Obs.: Acho que nessa região o governo deveria distribuir cervejas geladas para a população gratuitamente, nesse calor é praticamente uma necessidade primária.

Garupa
Depois da fartura de comidas típicas como a famosa farofa “incha rabo”, sucos de frutas típicas, carne seca, cuscuz, imbuzada, pimenta, que não pode faltar no prato baiano, tudo isso preparados por Fátima e Cristiane com muito carinho e ainda por cima dormimos na suíte presidencial, pode? Isso mostra como o baiano é receptivo.
Saímos de Itabuna às 10h rumo a Ilhéus. A estrada é muito boa e tem uma paisagem linda. Estive por estes lados em 1980 e fiquei muito surpresa com o que vi. Primeiro fomos para o lado do litoral Sul, onde fica Olivença e outras praias. Tem uma música que Sá e Guarabira cantam que é assim: “O homem chega já desfaz a Natureza...” Foi exatamente o que presenciei. Toda a mata Atlântica foi desmatada para construções de condomínios, bares e pousadas. Depois de Tororomba ainda vi uma paisagem bonita, mas antes fiquei completamente decepcionada. Pra andar de moto, a estrada esta show, com muitas curvas e um asfalto novinho, dá até vontade de só ficar andando de moto.
Voltamos e resolvemos parar num complexo, que por sinal lembra muito Porto Seguro, chamado “Batuba Beach”. Grande infra-estrutura, mas é somente pra quem gosta de barulho e agito, o que não é nosso caso. Resolvemos sair de lá e ir para o Bar Vesúvio,
Que faz parte do patrimônio histórico de Ilhéus, foi lá que Jorge Amado se inspirou para escrever o Romance Gabriela Cravo e Canela. Apesar de descaracterizado, o lugar é muito nostálgico. A Igreja foi ampliada e só a parede frontal do bar foi mantida. Mesmo assim o lugar é muito interessante e vale muito a pena passar por lá e comer o
bolinho de bacalhau. Não espere muito de Ilhéus, a cidade cresceu e nem faz lembrar aquela época. Agora volto a dizer, tem coisas na vida que não tem explicação. Enquanto estávamos lá tinham uns “ditos” componentes do RM (rola murcha) que estavam conversando na mesa ao lado e inevitavelmente acabamos ouvindo a conversa e sem a menor dúvida acabamos participando dela. Foi muito legal, logo descobrimos que o Guido, atual Sr. Nacib (proprietário do bar) estava presente, aí não faltaram perguntas sobre o local. Só que nesta mesa, por incrível que pareça, tinha um japonês que já se considera baiano. Residente a 8 anos no local, sabe de tudo sobre a região e já fala tão calmo como o povo daqui. Marcos é o nome dele, só que o que eu não esperava é encontrar meu antigo vizinho de porta, a uns 8 anos atrás. Incrível como este mundo é pequeno. Ele estava tão diferente que eu jamais o reconheceria, só reconheci porque começamos a conversar e papo vai, papo vem, bingo!
Conclusão: não só os lugares mudam muito, as pessoas também.
De lá seguimos para Itacaré que faz parte do litoral Norte de Ilhéus. Antes paramos em uma cachoeira que fica a 44km de Ilhéus e 22km antes de Itacaré. O lugar é muito bonito e é a primeira cachoeira de água agradável que já entrei, chama-se Cachoeira do Tijuipe. Tem restaurante com pratos que variam de R$ 40 a R$ 70,00. Se quiser andar de caiaque eles alugam por R$ 5,00 trinta minutos. Para entrar paga-se R$ 10,00pp.
Depois de um belo banho refrescante, seguimos para Serra Grande que tem um mirante e uma tirolesa. Lugar ideal para fazer foto panorâmica das praias que chegam a ter 30km de extensão. O dia estava insuportável de quente e na entrada de Serra Grande resolvemos parar e chupar uma melancia, que por sinal, se for época, não deixem de experimentar. Nada como uma boa prosa na beira da estrada, mas tínhamos que seguir.
Chegamos em Itacaré e nos hospedamos na Pousada do Lawrence, muito simples, com um custo muito bom, na minha opinião, ideal para quem quer só dormir. Pousadas é o que não faltam em Itacaré, mas nossa jornada é buscar o belo e o simples e acho que até agora conseguimos seguir nossa proposta.

 

 

   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
  Quiilômetros Rodados  210 km
  Horários  Saída: 10:00h  Chegada: 18:00h
  Despesa Combustível  R$ 0
  Despesa Alimentos  Almoço R$ 37,00 / Jantar R$ 40,00
  Despesa Hospedagem  R$ 65,00 (Pousada Lawrence's Surf House)
  Despesa Passeios  R$ 20,00 - Cachoeira Tijuipe
  Classificação da cidade  Itacaré é extremamente turística.
 
 
 
clique aqui para voltar ao índice