17º DIA
27/12/09


SALVADOR
IGATU (CHAPADA)
439km

   


*Este destino é parte integrante do Roteiro "Descobrindo a Bahia".

Piloto
De Salvador para Chapada Diamantina é bom estar bastante atento na estrada, não só pelos buracos, mas principalmente por ser pista única de mão dupla e com um grande fluxo de caminhões, principalmente na BR 116, mas a BR 242 também exige os mesmos cuidados, é comum ter que reduzir a velocidade para deixar um  motorista quem vem o sentido contrário, completar a ultrapassagem. Você só não pode contar com o auxílio do acostamento, porque ou ele não existe, ou ele tem um desnível enorme ou ele é um conjunto de crateras.
Chegamos na Chapada pela cidade de Igatu, subindo 7 km por uma estrada de pedra, que com certeza restringe o acesso de muitos, mas também garante o sossego e a preservação do lugar. Como chegamos  no final da tarde, o que pude fazer enquanto a Débora procurava uma pousada, foi ficar bebendo cerveja no bar do Seu Guina, e ficar ouvindo os comentários sobre a Bíblia e o código de barras da garrafa de cerveja, que segundo informações locais, cada risquinho representa um dono da cervejaria, os mais grossos ganham mais e os mais finos ganham menos, tudo a ver, né?
Isso é só o começo, amanhã tem mais...

Garupa
Depois de pegar mais informações com a Denise da Pousada Acácia, seguimos para Chapada Diamantina. Passamos por Feira de Santana que fica aproximadamente 100km
de distância de Salvador. A paisagem começa a mudar, o verde fica escasso dando espaço para uma vegetação mais seca e as árvores são tão pequenas que parecem bonsai.  A dica era rodar pela Estrada do Feijão que é uma rodovia mais tranqüila do que a BR 116, como passamos a entrada seguimos em frente pela BR mesmo.. Realmente é uma rodovia onde todo cuidado é puco, muitos caminhões e as ultrapassagens são perigosas, tanto que tivemos que ajudar a socorrer um acidente que teve na pista. Um carro completamente lotado de mantimentos capotou, felizmente não teve vítimas, mas toda a mercadoria ficou na rodovia. Nessas horas percebi que o curso para renovação da carteira de habilitação é importante. Como tinha feito recentemente, lembrei de todas as precauções que se deve tomar num caso deste. Outro cuidado muito importante, principalmente se está de moto, são os urubus. Como tem muito animal morto na estrada, de repente eles levantam vôo, quando avistá-los, ande mais devagar.
Chegamdo Próxima a Chapada a vegetação começa a ficar verde novamente.Pegamos a entrada para Andaraí e Mucugê, paramos um pouco na Toca do Morcego para ver o Rio Paraguassu. Logo um pouco a frente já começa a estrada de pedra rosada para Igatu. Um lugar que não pode deixar de ser visto. É uma cidade muito pequena, com 400 habitantes sendo 300 só de crianças. Igatu significa “águas boas” em tupi guarani e está a 803m de altitude. Lembra do banho frio que aprendi a tomar aqui na Bahia, acho que nessa região não vai se possível, devido ao friozinho que faz por aqui, mesmo no verão. Aqui tudo é de pedra, as casas, as calçadas e as ruas e é Patrimônio Nacional tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Igatu, apesar de pequenina, tem muitas pousadas, inclusive escolhemos uma muito peculiar, onde eles preservam a originalidade do lugar. Os quartos têm grandes pedras nos dando a impressão que estamos dormindo numa caverna, diferente de tudo que vimos até agora. O Alan e a Ju, proprietários da pousada, preservam o ambiente e ainda fazem um trabalho muito importante de replantio da mata nativa que por causa do garimpo foi bastante destruída. São nove anos de dedicação que começou com uma casa de férias e hoje faz parte de um projeto de vida. Atualmente eles dispõe de um carro 4x4 para realizar passeios mais distantes. Eles me indicaram um guia local chamado Chiquinho, uma figurinha. Nascido e criado na região, Raimundo Cruz dos Santos, o famoso Chiquinho além de guia, mateiro e ex-garimpeiro é um excelente contador de histórias. É uma das pessoas responsáveis pela divulgação da Chapada na região de Igatu. Conhece tudo por aqui e por outras bandas, mas percebi que o que ele gosta mesmo é de uma boa prosa. A noite fomos comer uma galinha caipira no Restaurante Água Boa, onde os pratos variam de R$ 12,00 a R$ 30,00 pra duas pessoas. Agora boa noite, e como diz aqui em Igatu, “se ela for boa te falo amanhã”.

 

 

   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
  Quilômetros Rodados  439km
  Horários  Saída: 9:30h  Chegada: 16:00h
  Despesa Combustível  R$ 90,00
  Despesa Alimentos  Almoço R$ 20,00 / Jantar R$ 38,00
  Despesa Hospedagem  R$ 80,00 (Pousada Flor de Açucena) (75) 3335-7003 - http://www.igatur.com
  Despesa Passeios -0-
  Classificação da cidade  Turismo ecológico, dando a sensação de que voltamos no tempo.
 
 
 
clique aqui para voltar ao índice