Cabo Frio & Arraial do Cabo – RJ

VERSÃO PILOTO

COMO CHEGAR

Partindo de São Paulo, são 590 km até Cabo Frio, seguindo pelas rodovias Ayrton Senna, Carvalho Pinto, Dutra até o Rio de Janeiro, ponte Rio Niterói, Gov. Mario Covas e Via lagos.

ESTRADAS

A primeira parte da viagem, Ayrton Senna e Carvalho Pinto, são bem tranquilas, estão entre as melhores rodovias do Brasil. A partir de Taubaté até o Rio de Janeiro a Dutra requer bastante atenção devido ao grande volume de veículos e caminhões. Passando pela ponte Rio Niterói as rodovias Gov. Mario Covas e Via Lagos também são bastante movimentadas, principalmente em feriados e alta temporada. Todas as rodovias são pedagiadas e motos também pagam.

O QUE FAZER

Começarei com um lembrete que eu acho fundamental, esse roteiro é maravilhoso mas tem um porém, se você quer aproveitar o máximo esse lugar, evite feriados prolongados e alta temporada, nesses períodos o transito do Rio até a região dos lagos fica impraticável e as praias abarrotadas.

Feita essa pequena introdução é só escolher um bom hotel e aproveitar, no nosso caso errei feio na escolha do hotel, escolhi uma praia mais tranquila, Peró que fica afastada 7 km do centro de Cabo Frio, mas o hotel La Plage é lastimável, tanto pelo atendimento quanto pela limpeza do quarto, banheiro, roupas de cama e toalhas, melhor nem estender muito esse assunto, apenas não recomendo.

Agora vamos para a parte boa, saímos de São Paulo numa quinta-feira 8hs e chegamos 16h com um céu de brigadeiro e um sol maravilhoso, perfeito para curtir esse paraíso.

Depois de descansar um pouquinho, aproveitamos para conhecer um pouco da praia de Peró e encerrar a noite jantando num simpático shoppinzinho em Peró mesmo.

Dia seguinte subimos na moto e começamos a desvendar cada pedacinho de Cabo Frio, primeiro a praia do Forte, que fica no centro, bem localizada, com muitos hotéis, bares, restaurantes, o forte e principalmente, muito bonita. Praia da Dunas, que nem é preciso dizer porque, Ilha do Japonês, praia das conchas, enfim com certeza, pelo menos uma vai te conquistar. Ah, não deixe do conhecer bairro da Passagem, durante o dia para tirar muitas fotos e a noite para curtir ótimos restaurantes num lugar prá lá de charmoso.

No sábado foi o dia de desvendar as águas verde esmeralda de Arraial do Cabo, não é por acaso que essa região é conhecida como o caribe brasileiro. Logo na chegada fica a praia grande, a mais estruturada, com muitos bares e restaurantes a beira mar e de onde você pode contemplar um belo pôr do sol.

Um lugar que você não pode deixar de conhecer é Pontal do Atalaia, a entrada de carros é limitada, mas motos são liberadas. Do alto do morro a vista é simplesmente deslumbrante, só dá vontade de descer para entrar na água. E foi o que fizemos, seguimos até a escadaria que dá acesso as prainhas, são aproximadamente 4 kms, sendo 1,5 de terra. Depois de descer os 250 degraus você chega na prainha, uma das mais bonitas que eu já conheci, só tinha um problema, a superlotação. Infelizmente o nosso “jeitinho” estava presente. Como já havia citado, o acesso ao pontal é limitado, mas os taxis, vans e até caminhões tipo boia fria, sobem descarregam os passageiros, descem e sobem de novo com mais uma leva, isso acaba com a praia, que não dava nem para andar, quanto mais contemplar aquele paraíso. Uma pena, subimos os 250 degraus de volta e voltamos para curtir o visual do alto do pontal.

Fizemos todos esses passeios de moto, sem nenhum problema e sempre muito tranquilo, sem qualquer sentimento de insegurança. Existe também opções de passeios de barco, que levam para outras praias, mas dessa vez nossa intenção foi fazer tudo em duas rodas.

Valeu muito a pena, e se você ainda não conhece a região dos lagos, fica um conselho: Programe-se e boa viagem.

VERSÃO GARUPA

Quer conhecer um pedacinho do Brasil com características de vários lugares, então visite Arraial do Cabo e Cabo frio no Rio de Janeiro.

Conheci esta região a mais de 20 anos e é incrível como cresceu, mas continua lindo!

É incontestável a beleza geográfica desta região. Viajamos de moto, mas seria incrível ver tudo lá de cima.

Quando chegamos estranhamos um pouco, afinal saímos da rotina e passamos a olhar tudo ao nosso redor. Usamos o google maps para chegar no hotel e como ele escolheu o caminho mais curto acabamos passando por lugares não turísticos, então ficamos com uma impressão não muito boa. Mas não se assuste, achei tudo muito tranquilo e seguro, tanto é que a noite saímos a pé para andar pelo Peró a procura de um lugar para jantar.

Nossa hospedagem não foi nada agradável, o hotel La Plage deixou muito a desejar, aliás, muito cuidado com estes sites de reserva, acabamos pagando mais caro do que se tivéssemos fechado na recepção do hotel, onde tinha uma placa com o valor menor. Alguns hospedes até questionaram. Acabamos reservando, porque este período é alta temporada e ficamos com receio de não acharmos lugar, apesar que dormir na praia seria mais agradável.

Dia seguinte, sexta feira, deu para perceber como tudo estava lotado. Logo pela manhã a praia já estava cheia. Apesar de ser inverno, o sol brilhou o final de semana inteiro e com isso aproveitamos o máximo, mas mesmo assim ficaram alguns lugares para uma próxima viagem.

Vou descrever a impressão de cada um dos lugares, primeiro de Cabo Frio e depois Arraial do Cabo.

 

CABO FRIO

Fica a 160km do RJ e tem a melhor infraestrutura da região.
Nos hospedamos na praia do Peró, mas como estava ventando muito pela manhã, saímos para conhecer a praia do Forte.

Logo de cara já vimos as dunas de areias branquinhas antes até mesmo de ver a praia. Do outro lado da rua muitos prédios. Fiquei imaginando a vista lá de cima na hora que vi a cor da água. Incrivelmente linda com dois tons, você escolhe, azul esverdeada ou verde azulado. Não importa, só sei dizer que não deixa nada a desejar pra Cuba, onde fiquei também encantada pela cor da água.

Não cheguei a entrar no mar, mas muitos dizem que é fria devido ao fenômeno oceanográfico chamado de RESSURGÊNCIA, que é caracterizado pelo afloramento de águas profundas, frias e ricas em nutrientes. Deve ser por isso que tanto Cabo Frio como Arraial do Cabo são conhecidas como capital do mergulho Brasileiro.

Em seguida fomos conhecer o Forte São Mateus e saber um pouco mais sobre nossa história e apreciar a vista lindíssima de toda a praia do forte.  Depois conversamos com um carioca, gente finíssima, que deu várias dicas do que fazer em tão poucos dias com tantas opções de passeios.

Seguindo o que ele falou fomos conhecer a ilha do Japonês. Daria até para ir a pé de onde estávamos, mas resolvemos pegar a moto. Percebemos que tivemos que dar uma volta imensa. Esta praia é ideal para ir com crianças, água rasa e cristalina. Se quiser ir até a ilhazinha, pode atravessar a pé (agua até os joelhos) ou pegar uma canoa e ainda pagar com cartão, acredita?

Outro lugar lindo é o Bairro da Passagem, lembra muito Paraty no Brasil, Cartagena na Colômbia e Colônia do Sacramento no Uruguai. Entende agora porque eu disse que parece que estamos em vários lugares?
É bem movimentado a noite, mas pra mim qualquer hora é interessante passar por lá.
De dia é menos movimentado e podemos ver as casinhas tombadas pelo patrimônio com suas delicadas flores e suas ruas pavimentadas com pedras. Aproveitamos para almoçar num restaurante chamado Hot Batata. Eles restauraram a casa toda e mantiveram a maior parte intacta e acabou até sendo uma experiência muito interessante. Almoçamos uma batata assada incrivelmente maravilhosa em uma construção de mais ou menos 1600 (DC).

Já a noite nem tenho como descrever. É outro lugar. Muito charmoso com seus restaurantes que colocam suas mesas na praça e nas ruas, tanto é que não é permitido transitar de carro ou motos. Muitos músicos tocando samba, rock, bossa nova e por aí a fora. Tem para todos os gostos. Não dá vontade nem de ir embora!

Tinha um outro passeio que até pensamos em fazer, conhecer a Duna Mãe, mas nos avisaram que estava muito perigoso e por questão de segurança resolvemos não ir, afinal só queríamos trazer lembranças boas e por isso não arriscamos.

Passeios de barco também podem ser feitos por um valor aproximado de R$ 80,00, mas desta vez resolvemos ficar só em terra firme.

Restaram algumas praias que acabamos não conhecendo, como por exemplo a do Foguete. Devem ter muitas outras, mas terá que ficar para próxima!

 

ARRAIAL DO CABO

Este nome deveria ser mudado, porque de “arraial” já não tem mais nada. No passado era uma vila de pescadores, hoje em dia eles ficam ofuscados pelos turistas que invadem as praias em busca de sol e lazer. E como não somos diferentes, lá fomos nós pescar lugares lindos para fotografar.

Arraial do cabo é mais rústico do que Cabo Frio. Para quem gosta de lugar menor pode ser mais interessante, mas também fica só a 13km de Cabo Frio. Sem trânsito é um pulinho, mas em alta temporada, posso dizer uma coisa? Só de moto... Aliás, viajar de moto é só vantagem, podemos estacionar bem mais fácil e entramos nos pontos muitas vezes sem precisar pagar o estacionamento e o melhor, não precisamos ficar na fila.

Nossa fenomenal experiência em Arraial foi assistir a um incrível pôr do sol na praia Grande. A água perde seu tom azul/verde e o céu ganha um alaranjado inesquecível e logo o sol se põe no mar. Muitas pessoas vão até o Pontal do Atalaia para assistir este espetáculo e realmente deve ser incrível ver lá de cima ou mesmo na Prainha, mas pensamos em deixar para o dia seguinte.

Pronto, o dia seguinte chega e lá vamos nós para o Pontal do Atalaia. Nossa intenção era passar o sábado todo na praia, porque dia seguinte era dia de voltar, mas nossos planos mudaram assim que chegamos lá. Tem uma escadaria com 250 degraus para descer e chegar até o paraíso. Mas este não era o problema, até descemos, mas quando vimos a multidão de gente na praia, desistimos. Como tudo que desce também sobe, enfrentamos de novo a escadaria e resolvemos nem tirar fotos da praia, afinal iria estragar a ideia de paraíso que as pessoas têm de lá. Não foi desta vez, mas voltaremos uma próxima fora de temporada.

No caminho já dava para imaginar que não seria assim tão legal. Tinha muitos carros, vans, motos, taxis numa estrada que não é nada estruturada para tanto movimento. Ainda bem que conseguimos fazer fotos incríveis em um dos mirantes do Pontal.

Voltamos para Cabo Frio e acabamos o nosso sábado fazendo caminhada na Praia do Peró.

Viajar é sempre muito bom, principalmente para conhecer lugares incríveis. Às vezes vamos para tão longe e acabamos nem conhecendo as maravilhas de nosso país. A região dos Lagos é de fácil acesso e está aqui pertinho da gente e com certeza tem muito mais praias sensacionais que não visitamos desta vez. Isso é bom, porque deixa um gostinho de quero mais!

Viagem Realizada19/07/2018 a 22/07/2018
Quilômetros Rodados1300km (ida e volta + passeios)
Despesa CombustívelR$ 350,00
Despesa AlimentaçãoAproximadamente R$100,00 por casal e por refeição.
Despesa HospedagemAlgumas opções com diária a partir de R$ 200,00